20 de setembro de 2020

O que você realmente precisa saber sobre Águas Subterrâneas

Pontuamos a importância do evento para o engajamento da sociedade nesse assunto

DivulgaçãoO que você realmente precisa saber sobre Águas Subterrâneas

José Paulo Netto, Presidente da ABAS

O que você realmente precisa saber sobre Águas Subterrâneas 

Pontuamos a seguir algumas informações importantes sobre Águas Subterrâneas que podem contribuir para a construção de pautas e ajuda-lo a entender um pouco mais sobre a importância do evento para o engajamento da sociedade nesse assunto. As fontes são a ABAS – Associação Brasileira de Águas Subterrâneas, CEPAS, Centro de Estudos de Águas Subterrâneas do IGC USP e demais entidades nacionais e internacionais da área.

1- Águas Subterrâneas: recurso essencial e disponível
As águas subterrâneas são o maior reservatório de água doce da humanidade. Encontram-se sob a superfície terrestre e preenchem totalmente os poros das rochas e dos sedimentos que constituem os aquíferos.

Nos aquíferos está 97% das águas doces e líquidas de todo o planeta. Segundo estudos das principais entidades ligadas a hidrogeologia no mundo, temos 62,7 vezes mais águas subterrâneas do que toda a água superficial da Terra.

É um recurso absolutamente essencial para a vida. Não só pelo fato de abastecer as cidades, o campo e servir de insumo para a quase totalidade das atividades econômicas, mas por sustentarem sistemas aquáticos como rios, lagos, mangues e pântanos.

Sem as águas subterrâneas, as florestas em regiões de clima seco ou tropical não se manteriam em pé, tampouco os ambientes aquáticos existiriam ou cumpririam suas funções ambientais.

Calcula-se que a extração anual de água dos aquíferos no mundo é de 160 bilhões de metros cúbicos (160 trilhões de litros) no mundo (POSTEL, 1999 citado por BROWN, 2003).

2 – Corremos mesmo o risco de  Superexploração de maneira genérica e dispersa ?
O desconhecimento sobre os aquíferos, suas capacidades de produção e possibilidade de uso regular e sustentável tem criado falsas imagens sobre o uso de águas subterrâneas.

Conhecidamente existem áreas com uma concentração populacional e industrial que pode levar a superexploração de aquíferos.

Para a ABAS é preciso ver isto de uma outra forma, e responder a uma questão principal: o que ocasionou a isso?

A resposta é, que não havia localmente água superficial para o abastecimento, e, com o crescimento da demanda se recorreu aos poços, que tem um custo operacional e de exploração menor, com mais garantia de abastecimento em períodos de estiagem.

Por essa razão, os poços não são os “culpados” por uma superexploração local.

Tudo isso trouxe a irregularidade e uma exploração desordenada, seja pela falta de água superficial e de investimentos para suprir a demanda, ou pela alta concentração populacional, industrial e de agricultura.

Todo este conjunto de fatores pode ocasionar problemas de superexploração em locais determinados, seja uma cidade ou região. No entanto, não deve ser regra geral e aplicado indiscriminadamente para todos os aquíferos existentes.

Mundialmente existem casos de superexploração no México, Índia, China e Norte da África, mas não podemos deixar de lembrar que estas populações são abastecidas quase que exclusivamente por água subterrâneas, e sem ela estas localidades superexploradas não poderiam permanecer vivas.

A questão deve ser vista sob a ótica de uso ordenado, que garanta o abastecimento de água às populações e não chegue a superexploração.

3 – Qualidade das águas subterrâneas
A qualidade das águas subterrâneas é mais um aspecto importante dos recursos hídricos
Águas subterrâneas de alta qualidade fornecem água potável para milhões de usuários. No entanto, sem gestão, governança e proteção sustentáveis, a qualidade da água subterrânea pode ser afetada devido às atividades humanas.

DivulgaçãoO que você realmente precisa saber sobre Águas Subterrâneas

Do ponto de vista de proteção, as águas subterrâneas são mais resilientes do que as águas superficiais, pois a maioria tem um sistema próprio de proteção na crosta terrestre, o que não acontece com as águas superficiais.

Como exemplo, podemos citar idades das águas subterrâneas do Aquífero Guarani, no estado de São Paulo, onde foram medidas idades das águas entre 5 a 500.000 mil anos, ou seja, o tempo entre uma água penetrar no aquífero e sua exploração pode levar 50 séculos.

Por outro lado, como no caso das questões da superexploração, isso não pode ser extrapolado para todo o Brasil, que tem dimensões continentais e condições geológicas e Hidrogeológicas distintas.

O caminho é uma exploração sustentável, com controle de eventuais contaminantes          (químicos, esgotos, agrícolas, etc.) que possam afetar as águas superficiais e subterrâneas.

4 – Águas Subterrâneas no Brasil e no Mundo
Aproximadamente 52% dos municípios brasileiros são abastecidos por águas subterrâneas, sendo 36% abastecidos exclusivamente por águas subterrâneas e 16% por sistemas mistos (águas subterrâneas e superficiais).

Há no país 2,5 milhões de poços tubulares, e mais de 3,5 milhões de poços escavados ou de nascentes. Deles, são extraídos mais de 18 bilhões m3 /ano ou 557 m3 por segundo, de acordo com a ABAS, suficientes para o abastecimento de mais de 240 milhões de pessoas.

Temos que considerar ainda que existe ainda uma questão geográfica – a grande concentração de água não está necessariamente onde há mais necessidade dela. O exemplo mais claro é o da Bacia Amazônica é a maior Bacia hidrográfica do planeta, mas não tem alta densidade populacional, e assim a águas subterrâneas elevam sua importância em regiões de baixa disponibilidade hídrica, como o Nordeste do Brasil.

De acordo com a ABAS, a disponibilidade hídrica no Brasil é de 350 mil m³ por pessoa.

Em Israel, por exemplo, é de 30 mil m3 e não existe preocupação com falta de água, pois a gestão é eficiente. O sistema hídrico israelense depende integralmente de águas subterrâneas extraídas dos poços artesianos.

Os números Brasileiros se repetem pelo do mundo, e ao redor de 41% da população dos Estados Unidos é abastecida por águas subterrâneas. Em países como a Suíça este número chega a 80 %.

5 – Água abundante para quem e para que?
“O Brasil é um país de com água abundante em muitas regiões. No entanto, a sociedade brasileira tem pouquíssimo conhecimento sobre a sua existência, importância econômica e ambiental, ” alerta o presidente da ABAS, José Paulo Netto. E isso acontece até mesmo nos municípios onde as águas subterrâneas constituem a principal fonte abastecimento.

“Com um volume dessa ordem, é preciso explorar com critério e tecnologias adequadas para proteger, facilitar e democratizar o acesso de forma racional e consciente. A saída não é promover uma “caça” aos poços como vemos em muitas situações. O recurso existe, é sustentável e deve ser explorado corretamente. ”

6 – Maiores Usuários de Águas Subterrâneas
Todos somos usuários de águas subterrâneas, de forma direta ou indireta. Bebemos esta água todos os dias, na forma de sucos, refrigerantes, cervejas, frutas, medicamentos, e na nossa torneira e águas minerais que em sua maioria são águas subterrâneas.

Segundo a ABAS, os maiores segmentos usuários de águas subterrâneas no Brasil são:

– Indústrias de grande porte – 80 a 85%

 – Hospitais – 60 a 65%

 – Indústria de refrigerantes e cervejas – 90 a 95%

– Shopping Centers – 70 a 75%

– Hotéis –  60 a 70%

– Comércio – 20 a 25 %

– Condomínios – 20 a 50%

7 – Porque trabalhar pelo uso sustentável das águas subterrâneas
Questões econômicas: Em função do seu tamanho e uso, qualquer pequena alteração na cobrança ou tarifação no abastecimento por águas subterrâneas eleva custos para Indústria, Turismo, Serviços, Hospitais, Shoppings, Comércio, Condomínios e para a Própria Sociedade, pois são esses segmentos que mais utilizam águas subterrâneas extraídas dos poços.

  • As alterações podem gerar ainda:

  • Perda de competitividade na Indústria Brasileira;

  • Impacto negativo no Crescimento Econômico do País;

  • Insegurança Jurídica para investimentos

  • Afeta a Liberdade Econômica.

    Divulgação

8 – Questões relacionadas ao uso
O mau uso pode acarretar o desabastecimento das populações, pois não existe água superficial suficiente para suprir toda a demanda.

As crises hídricas de 2014 a 2017/18 e a atual situação, onde grandes cidades como Curitiba, já se encontram em situação grave de abastecimento, indicam que não saímos da crise Hídrica, que está presente e afetará todos os usuários, e assim o uso combinado de águas subterrâneas e superficiais, tanto pelas concessionárias de serviços públicos, como pelos usuários privados,  é a melhor forma de manutenção dos sistemas de abastecimento

9 – Aumento da demanda de água  e Novo Marco do Saneamento
Há algum tempo, o assunto águas subterrâneas gera debates tanto no âmbito técnico quanto legal, envolvendo concessionárias públicas de água, executores, perfuradores, usuários e a sociedade.

 O aumento da demanda por água no país e a possibilidade de redução de custos, tem levado diversos setores da sociedade a optar pelo acesso e uso da água subterrânea por meio da perfuração de poços artesianos, como fonte alternativa de abastecimento. Em muitos casos, é a única fonte disponível.

Mas a falta de políticas públicas claras e coerentes, com e de eficiência na gestão levaram um grande número cidadãos e de empresas a perfurar poços na clandestinidade, sem o preparo técnico necessário, podendo comprometer os aquíferos e os recursos naturais.

Alguns avanços importantes aconteceram, mas ainda há um longo caminho a percorrer.

A maior vitória da atualidade para as águas subterrâneas está no  Novo Marco Regulatório do Saneamento sancionado em julho de 2020 (LEI 14.026/2020)

Sua criação teve participação intensa da ABAS, cujo trabalho de articulação e exposição das questões referentes a águas subterrâneas foi fundamental na busca de mecanismos que priorizassem os interesses sociais e ambientais, e garantisse o uso legal, democrático e sustentável das águas subterrâneas brasileiras, além de fortalecer a cadeia produtiva dos poços, que gera nada menos que 1 milhão de empregos diretos e indiretos, garantindo assim que todos os Segmentos envolvidos possam conviver de maneira pacífica e pelo bem social, e sem perder sustentabilidade econômica.

10 – Aquíferos brasileiros
Os mais importantes aquíferos brasileiros são: Barreiras (costa nordeste e norte do Brasil); Solimões e Alter do Chão (Amazônia); Cabeças, Serra Grande e Poti-Piauí (estados do Piauí e Maranhão); Açu (no Rio Grande do Norte), Urucuia e São Sebastião (na Bahia) e o Guarani, que se extende por 8 estados brasileiros.

O Aquífero Guarani é dito como maior do mundo, e localiza-se na região sul da América do Sul, no – Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. No Brasil está distribuído por São Paulo, Goiás, Matogrosso e Mato Grosso do Sul, Paraná, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, abastecendo milhares de pessoas.

Fonte: Eliana Zani
Por Timepress Comunicação e Conteúdo

Gigi Accioly

Holofote @gigiaccioly - Jornalista (MTB 1468AL), apresentadora de TV, programa Gente em Evidência, exibido pela TV Alagoas (SBT), colunista social do Jornal Primeira Edição (impresso/online), editora-chefe e colunista da Revista Evidência Cosmopolita (AL), Colunista da revista evidencia.com (EVDCIA), diretora de planejamento da Comunicação Hoje e da Tehron - Núcleo de Comunicação; publicitária, assessora de comunicação, cerimonialista e mestre de cerimônias. Diretora de divulgação da Soamar/AL. - Sociedade Amigos da Marinha; Diretora Regional em Alagoas da MBA - Mídia Brasil Associados. Colunista do extinto portal Ciro Batelli – Unique Style (SP e Las Vegas), associada da Febracos – Federação Brasileira de Colunistas Sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *