5 de novembro de 2020

Aneurisma cerebral: neurocirurgião comenta sobre doença que matou ator Tom Veiga

Apenas 1 a 6 % da população em geral pode apresentar aneurisma cerebral

Aneurisma cerebral: neurocirurgião comenta sobre doença que matou ator Tom Veiga

Dr. Cícero Pacheco

O ator Tom Veiga, que interpretava o Loro José, foi vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) hemorrágico decorrente de uma aneurisma cerebral. Mas o que é aneurisma cerebral?  O neurocirurgião Cícero Pacheco, da UTI Neurológica do Hospital Memorial Arthur Ramos, explica que aneurisma cerebral é uma dilatação anormal de uma artéria que irriga o cérebro e à medida que ela cresce, existe um enfraquecimento da parede favorecendo a ruptura.

“O rompimento de um aneurisma causa um AVC do tipo hemorrágico. O aneurisma surge pelo enfraquecimento ou defeito da parede arterial. A pessoa pode nascer com o problema e/ou mais comumente adquiri-lo com o passar do tempo, a partir de fatores como hipertensão arterial (não controlada com medicamentos), tabagismo, uso excessivo de álcool e de drogas ilícitas, entre outros”, pontuou.

Segundo o médico, apenas 1 a 6 % da população em geral pode apresentar aneurisma cerebral. No Brasil uma média de 15 mil pessoas tem ruptura de aneurisma anualmente. Os dois principais fatores de risco para formação e/ou ruptura de um aneurisma são:  o tabagismo e a pressão alta não controlada. “Pessoas com histórico familiar de aneurisma cerebral, sobretudo parentes de primeiro grau, podem ter maior predisposição”, alertou.

De acordo com ele, as aneurisma são mais frequentes em mulheres e o risco de rompimento aumenta com a idade (a média é aos 55 anos). Os sintomas são dor de cabeça súbita, sendo descrita como a pior da vida, tipo explosiva, podendo vir associada com vômitos, mal estar, perda da consciência até entrar em coma. “Ao perceber alguns destes sintomas, o paciente deve ser levados de imediato à emergência, e internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), de preferência, em hospitais com experiência no tratamento, já que o ressangramento aumenta em a 80 % a chance de morte”, afirmou.

Cícero orienta a avaliação precoce em pessoas que tenham histórico familiar de aneurismas, controle da hipertensão arterial, não fumar, não beber em excesso e não usar drogas para se prevenir de um AVC. “Na descoberta de algum aneurisma cerebral em exames de imagem, deve-se procurar um neurocirurgião para avaliar as características do aneurismas e os fatores de riscos de cada paciente para decidir sobre as possibilidades de tratamento”, falou.

Fonte: Luciana Martins – Jornalista MTB 1077
Assessoria de Imprensa

Gigi Accioly

Holofote @gigiaccioly - Jornalista (MTB 1468AL), apresentadora de TV, programa Gente em Evidência, exibido pela TV Alagoas (SBT), colunista social do Jornal Primeira Edição (impresso/online), editora-chefe e colunista da Revista Evidência Cosmopolita (AL), Colunista da revista evidencia.com (EVDCIA), diretora de planejamento da Comunicação Hoje e da Tehron - Núcleo de Comunicação; publicitária, assessora de comunicação, cerimonialista e mestre de cerimônias. Diretora de divulgação da Soamar/AL. - Sociedade Amigos da Marinha; Diretora Regional em Alagoas da MBA - Mídia Brasil Associados. Colunista do extinto portal Ciro Batelli – Unique Style (SP e Las Vegas), associada da Febracos – Federação Brasileira de Colunistas Sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *