17 / 02 / 21

9 Perguntas para Gleydson Lima, otorrinolaringologista

O médico explica que se o otorrino tiver especialização em cirurgia plástica facial, com foco em rinologia, estará apto a realizar a rinoplastia, e vai oferecer um tratamento completo ao paciente

 


Por Gigi Accioly

Competente, capacitado e dedicado, assim é o médico Gleydson Lima que oferece um atendimento humanizado, e seus pacientes alcançam ótimos resultados nos tratamentos centrados na prevenção e em doenças do nariz, garganta e ouvidos por meio de uma medicina de ponta.

Atualizado em sua área, Gleydson sempre se aperfeiçoa em congressos nacionais e internacionais, realizando diagnóstico e tratamento clínico ou cirúrgico, aplicando técnicas de eficácia comprovadas das mais frequentes patologias na sua especialidade, que tem beneficiado seus pacientes, possibilitando um tratamento seguro, absoluto e ético.

*Ele atende em inúmeros consultórios nas cidades de Maceió, União dos Palmares, Pilar e Rio Largo.

9 Perguntas para Gleydson Lima sobre tratamento e prevenção das patologias do nariz, garganta e ouvidos

9 Perguntas para Gleydson Lima, otorrinolaringologista

Gleydson Lima, otorrinolaringologista

9 Perguntas para Gleydson Lima, otorrinolaringologista

  1. Quais as causas mais frequentes de o paciente procurar um otorrinolaringologista nas diversas fases da vida?

Dr. Gleydson Lima – Nas crianças, as doenças mais comuns são: as rinites alérgicas, otites (dor de ouvido) e as amigdalites (inflamações da garganta). Na fase adulta, a rinite é a mais prevalente, seguida de sinusite. Já nas pessoas idosas, as doenças mais comuns estão relacionadas a surdez e aos distúrbios de equilíbrio.

  1. Quais as causas mais frequentes de doenças de nariz, garganta e ouvidos?

Em relação às doenças mais tratadas pelos otorrinolaringologistas, as principais são: otite (inflamação no ouvido), sinusite e rinite (inflamações nas cavidades nasais), apneia do sono (suspensões na respiração), distúrbio do labirinto (distúrbio do ouvido interno), amigdalite (inflamação nas amígdalas), faringite (inflamação na faringe) e surdez (diminuição ou perda da capacidade de audição).

  1. Para a higienização as pessoas têm o hábito de usar, quase que diariamente, o cotonete nos ouvidos, não só na orelha. Qual a sua recomendação e o que pode acontecer com as pessoas que utilizam essa haste de forma inadequada?

A forma correta de retirar o excesso de cerume é lavando a parte externa do conduto com água e sabão no banho, e secar com uma toalha de papel ou algodão usando o 5° quirodáctilo (dedo mindinho da mão). Algumas pessoas produzem cerume exagerado, nesses casos é mandatório procurar o otorrinolaringologista para fazer a retirada no consultório com toda técnica e segurança necessária.

O canal do ouvido é como um tubo fino, pouco ventilado, pois é fechado no seu fim pela membrana timpânica, e seu   comprimento é bem variado, cada pessoa possui uma anatomia que é intrínseca. Ademais, a pele do canal auditivo é muito fina e sensível, e repousa diretamente sobre o osso, e uma curiosidade é única pele de corpo humano que não tem mobilidade. Logo o uso de hastes flexíveis é proibido em qualquer situação, pois além de empurrar o cerume causando obstrução desse canal, ele pode causar traumas na membrana timpânica e cadeia ossicular, gerando uma perda auditiva permanente ou até a surdez.

  1. No verão, quais os cuidados/prevenção que devemos ter com esses órgãos?

Ouvidos, nariz e garganta pedem cuidados especiais durante o verão, a estação mais quente do ano favorece o aparecimento de doenças respiratórias, amigdalites e otites.
O verão é a estação marcada por altas temperaturas, dias longos e noites curtas. Durante esse período, é necessário tomar alguns cuidados para evitar problemas de saúde que costumam ser comuns nesta época do ano.
Mudança de hábitos, como o uso prolongado do ar-condicionado e exposição repetida à água da piscina ou mar, podem favorecer o aparecimento de doenças relacionadas aos ouvidos, nariz e garganta.
O aumento da temperatura causa problemas respiratórios, como gripes, resfriados, rinites e sinusites. Por isso, a higiene nasal deve ser realizada com soro fisiológico que remove impurezas e agentes agressores, como vírus e bactérias, além de auxiliar na diluição e remoção de secreções.
Além do nariz, outro órgão que pede cuidados extras são os ouvidos. A otite externa, por exemplo, é responsável por até 20% do número total de consultas em otorrinolaringologia neste período. Ela é uma infecção que atinge o conduto auditivo e o tímpano, sendo mais comum em crianças e jovens.
A otite é ocasionada pela exposição prolongada e repetida à água da piscina ou do mar. A pele do canal auditivo, assim como os dedos das mãos e dos pés, ficam enrugados e macerados, o que gera microfissuras e permite a proliferação de bactérias no ouvido. A dor costuma ser tão intensa que alguns pacientes relatam como a pior dor da vida.
A garganta também costuma sofrer com a ingestão de bebidas geladas, alcoólicas, isotônicos, sorvetes e picolés, que por serem ricas em açúcar ou alterarem o pH bucal favorece a proliferação de microorganismos. Com isso, aumenta o aparecimento de casos de faringite, laringite e amigdalite.

  1. Quando a pessoa deve procurar um otorrinolaringologista?

É preciso atentar-se a alguns sinais e sintomas que o corpo costuma manifestar. E procurar rapidamente seu otorrinolaringologista. Muitas vezes, os sintomas surgem de forma sutil, podendo se agravar com o decorrer do tempo. São eles:

  • rouquidão (disfonia);

  • ronco;

  • dor de ouvido;

  • dor de garganta;

  • sangramento no ouvido;

  • tontura;

  • zumbido;

  • secreção no ouvido (otorreia);

  • dificuldade auditiva/surdez;

  • sangramento nasal;

  • dor na face;

  • dor de cabeça (cefaleia);

  • obstrução nasal;

  • visão embaçada ou escurecida;

  • alergia das vias respiratórias;

  • tosse;

  • pigarros, entre outros.

  1. O otorrinolaringologista pode realizar a rinoplastia?

Essa é uma dúvida muito comum. Se o otorrino em questão tiver especialização em cirurgia plástica facial, com foco em rinologia, ele está apto a realizar rinoplastia. O otorrino vai oferecer um tratamento completo ao paciente. Quem o procura para resolver um problema funcional, como um desvio de septo, por exemplo, pode fazê-lo e, ao mesmo tempo, corrigir as imperfeições estéticas do nariz e vice-versa.

  1. As atitudes das pessoas mudaram com a pandemia Covid-19. A ideia de ser confiante, de acreditar que pode fazer melhorar o estado de espírito das pessoas, (como médico), tal como o senhor aprendeu na faculdade e com sua família, foi útil para lidar com os seus pacientes?

Sim, certamente. Quando seu atendimento é humanizado, se torna muito mais fácil tratar o doente como um todo e não somente a doença. É importante que se estabeleça uma comunicação franca e individualizada para cada paciente, fazendo assim com que o mesmo se sinta acolhido e não desamparado no momento tão delicado por qual está passando. Logo, a empatia, o altruísmo assim como   valores éticos, morais adquiridos tanto na formação acadêmico quanto no seio familiar e religioso, quando bem sedimentados, são indispensáveis e se tornam nossas principais referências e norteadores.

  1. Qual o seu estilo de atendimento?

Gostaria que respondesse, já que é minha paciente e nada mais justo que uma paciente responda a essa pergunta (risos).

– Sinceramente, como sua paciente, posso afirmar que o seu atendimento é humanizado, como também é uma pessoa empática e didática em seus esclarecimentos, passando confiança e nos trazendo o resultado desejado no tratamento.

  1. Suas considerações finais: Deixe uma mensagem para os internautas e leitores para uma vida mais tranquila sem graves problemas nos órgãos de sua especialidade.

É notório que o verão é a estação mais esperada por todos. Sorvetes, drinques, ar condicionado, mar e piscina têm muito em comum: são uma delícia e refrescam durante o verão! Mas, eles, podem representar perigo para o nosso corpo. Ao menor sinal, procure ajuda médica para que o sintoma  seja diagnosticado corretamente e o tratamento acertadamente. Por fim, darei a algumas recomendações para manter a saúde dos ouvidos, nariz e garganta nas férias.

1-Beba bastante água (2-3 litros dia);

2-Alimentação balanceada;

3- A cada hora dentro do mar ou piscina permaneça 30 minutos fora para secar os ouvidos;

4- Lave as narinas com soro fisiológico no mínimo 3 x ao dia;

5- Proibido usar hastes flexíveis (cotonetes) nos ouvidos. Assim como pingar álcool, leite materno, óleo de pequi ou azeite;

6- Higiene bucal após as principais refeições;

7- Usar protetor solar e hidratante nos lábios (evita rachaduras e aparecimento de Herpes labial);

8- Evite mudanças brusca de temperatura. Sair de um ambiente com muito calor e entrar em outro gelado ou vice-versa;

9- Evite o excesso de bebidas geladas, elas agridem a garganta e nariz. A orientação é sempre se refrescar com moderação e tomar líquidos frios ou gelados em goles pequenos, e fazer pausas entre um e outro “gole”;

10- Se tiver dor de ouvido, coloque compressa quente para aliviar a dor. O ideal é não manipular, não mexer dentro do ouvido, e procurar um otorrinolaringologista nesse intervalo.

Sobre o Dr. Gleydson Lima (CRM/AL 5585 – RQE 3631)
Graduação – Formado em Medicina pela Universidade Federal de Alagoas, com residência Médica em otorrinolaringologia pela Santa Casa de Misericórdia; Especialista em Medicina da Família pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro e especializando em Medicina do Sono pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Ele participa de Congressos nacionais e internacionais, entre eles evidenciamos:

  • Rhinology (Simpósio Internacional de Rinologia)

  • Combined Meeting Four Otology

  • Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia – ABORL

  • Congresso da Fundação Brasileira de Otorrinolaringologia – FORL

  • Congresso Norte-Nordeste de Otorrinolaringologia

  • Congresso Brasileiro de Sono

Conexão:
Contato (82) 99692.9622
IG (@drgleydsonlimaotorrino )
e-mail: drgleydson@gmail.com

*Atendimento/Consultórios

  1. Otoclinic: Av. Dom Antônio Brandão, 354 Farol
  2. Hospital Vida: Rua Deputado Eliseu Teixeira, 488, Ponta Verde
  3. Hospital Santa Casa de Maceió (Santacoop), R. Dias Cabral, 424 – 2º Andar – Centro
  4. Servimed, Rua Elaine Lima, 20, Gruta de Lourdes
  5. HAPVIDA, Avenida Fernandes Lima, 139 Farol
  6. Clínica NOA Rua Presciliano Sarmento, 12, Centro, União dos Palmares
  7. Clínica Pedro Emiliano, Centro, União dos Palmares
  8. HGU, Centro, União dos Palmares
  9. Centro de especialidades, Pilar
  10. Odontoclinica & Núcleo Médico, Rua Dr. Batista Acioly,68, Centro de Rio Largo

Planos de saúde que atende
Bradesco, Sulamerica, Amil, Cassi, Postal Saúde, Notredame, Petrobrás, Life, HapVida, Asfal, Smile, Assefaz, Camed, Capesaúde, Fachesf e Mediservice.

9 Perguntas para Gleydson Lima, otorrinolaringologista – Deixe o seu comentário

Gigi Accioly

Holofote @gigiaccioly - Jornalista (MTB 1468AL), colunista social do Jornal Primeira Edição (impresso/online), editora-chefe e colunista da Revista Evidência Cosmopolita (AL), Colunista da revista evidencia.com (EVDCIA on line); ex-apresentadora de TV, "Programa Gente em Evidência" exibido pela TV EVDCIA, TV Alagoas (SBT) e TV Mar; publicitária. Membro da ALANE/AL - Academia de Letras e Artes do Nordeste Brasileiro (Núcleo Alagoas); Comendadora (Comenda Professor Doutor Sebastião Palmeira (instituída pela Academia Maceioense de Letras). Diretora de planejamento da Tehron - Núcleo de Comunicação; assessora de imprensa e marketing, cerimonialista e mestre de cerimônias. Diretora de comunicação social da Soamar/AL. - Sociedade Amigos da Marinha de Alagoas; Diretora Regional em Alagoas da MBA - Mídia Brasil Associados; associada à FEBRACOS – Federação Brasileira de Colunistas Sociais. Colunista do extinto portal Ciro Batelli – Unique Style (SP e Las Vegas).

Um Comentário em “9 Perguntas para Gleydson Lima, otorrinolaringologista

João Costa
17 de fevereiro de 2021 em 21:31

Gigi Accioly, parabéns pela entrevista super esclarecedora e de absoluta utilidade pública. As explicações do Dr. Gleydson Lima, as suas precisas perguntas, são didáticas. Os cuidados a partir destas orientações são elementares. Reitero parabenizando o Dr. Gleydson Lima pelo primoroso trabalho!!

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *