1 de julho de 2021

CÂNCER ÓSSEO – O tratamento precoce ajuda na evolução dos casos.

Exclusivo

CÂNCER ÓSSEO – O tratamento precoce ajuda na evolução dos casos.

Imagem/divulgação

Por Dr. Marcio Rogério Renzo

O mês de julho é tradicionalmente dedicado à campanha de conscientização ao tratamento do câncer ósseo – Julho Amarelo. Apesar de ser considerado um câncer raro, correspondendo acerca de 1% do total, sua forma é muito agressiva e as consequências finais podem gerar mutilações. No Brasil surgem aproximadamente 2.700 casos todos os anos, segundo a Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC).

Porém com a evolução dos tratamentos, o uso combinado de drogas, aliado aos avanços tecnológicos, a sobrevida livre da doença aumentou expressivamente, atingindo patamares entre 50 e 70% dos casos. Para tanto, tem-se identificado como fator primordial à cura o diagnóstico precoce.

O surgimento em cada faixa etária para a doença tem características próprias, tendo uma leve maioria nos homens. Nos mais jovens, até os 20 anos de idade, as principais áreas atingidas são os joelhos (osteossarcomas) e alguns tumores relacionados à medula óssea, como o Tumor de Ewing. Já a partir da idade adulta os tumores mais comuns são os condrossarcomas e os de origens externas aos ossos. As metástases são ramificações, por assim dizer, de cânceres surgidos em outros órgãos e que acabam por se instalar nos ossos. Os principais tipos de cânceres que podem a ter metástase nos ossos são: pulmão, rim, mama, próstata e tireoide.

O que causa o tumor?

Não existe ainda uma forma de prevenir o câncer nos ossos. Algumas de suas causas ainda são desconhecidas, porém os fatores de riscos são conhecidos, alguns internos e outros externos. O tabagismo, uso de drogas ilícitas, exposição à radiação ionizante, estes são alguns exemplos de fatores externos e controláveis. Os fatores internos, portanto, não controláveis, são: histórico familiar, idade, são exemplos.

É interessante desmistificar que o uso de radiação não ionizante, como as que são utilizadas por micro-ondas, campos eletromagnéticos e telefones celulares não aumentam o risco de tumor ósseo.

Quando suspeitar e procurar um profissional de saúde?

Alguns sintomas são percebidos neste tipo de câncer, tais como: dor nos ossos, inchaço nas articulações e fraturas fáceis. As dores não são constantes e são acentuadas no período noturno ou quando se mexem as pernas durante a caminhada.

O inchaço nas articulações é percebido em formato de nódulo, principalmente nas grandes articulações como joelho e cotovelos. Já as fraturas ocorrem principalmente nos grandes ossos do fêmur, braços e coluna vertebral por enfraquecimentos dessas estruturas, provocando uma dor repentina e intensa.

Outros sinais e sintomas importantes são: a perda de peso sem razão aparente, cansaço intenso e febre constante. Devido a este câncer ter seu desenvolvimento por metástases e também promovê-las, devemos estar atentos a outros sintomas como falta de ar, anemias, infecções frequentes, insônia, entre outros. O diagnóstico é fechado através de análise clínica, por imagem e biópsia feito pelo médico habilitado.

Como o tratamento é feito?

O tratamento se dá através de equipe multidisciplinar, preferencialmente, com o objetivo de tratar o paciente como um todo. O médico oncologista iniciará o tratamento identificando o tipo de tumor, o tamanho e sua localização. Geralmente é indicada a quimioterapia, radioterapia e em alguns casos a realização de cirurgia para retirada do tumor.

No campo da fisioterapia, a complexidade do tratamento dependerá das estruturas afetadas pelo tumor, podendo ser atacado de forma mais conservadora através de técnicas para tratamento da dor e inflamação e melhora na cicatrização. Ou, devido a complexidade do caso, há a necessidade de cirurgia para retirada de parte óssea ou total de membros, a fisioterapia atuará na ajuda ao paciente para adaptação à prótese e restabelecimento das atividades de vida diária. O uso de algumas órteses poderá ser indicado para a redução de impactos, estabilização e controle do paciente, buscando uma melhor qualidade de vida.

Sempre que precisar, consulte um fisioterapeuta de sua confiança!!! Estamos aqui para ajudar.

Dúvidas??? Entre em contato através das mídias sociais.

Instagram: @marcior.renzo

Facebook: @marciorogerio.renzo @dr.marciorenzo

Email: marcior.renzo@gmail.com

João Costa

Jornalista (MTB 87452/SP) e articulista do Instituto Palavra Aberta, jornalista e articulista do Observatório da Comunicação Institucional (O.C.I), Membro da API (Associação Paulista de Imprensa), Prêmio Ibero – Americano de Jornalismo de 2019/20, Prêmio Direitos Humanos por reportagem feita para o Instituto Dana Salomão e Menção honrosa do Lions Clube Rio do janeiro. Colunista, Blogueiro e Comunicador. Desenvolve há anos um trabalho com o propósito humanitário por meio do que cunha chamar de: "Filosofia da Evolução das Relações Humanas”. Redator responsável e Colunista do portal FaceTV Brasil; Colunista do portal da Bahia Jack Comunica, Colunista do portal Lithoral News - Santa Catarina, Colunista do jornais “Em Destaque e Gazeta”, do Estado do Rio de janeiro, colunista do portal Brasiltocantins. Foi colunista da "Rede de Escritores de Língua Castelhana", e colunista do Diário de notícias Vila Nova Familicao em Braga - Portugal. Possui sólidos conhecimentos na edição de textos, é ativista pelos direitos humanos, pela proteção dos animais e no combate à desigualdade social. Participação ativa em workshops, webinars, congressos e conferências.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *