8 de setembro de 2021

NA MEDIDA CERTA

 

Divulgação - InternetNA MEDIDA CERTA

Divulgação – Internet

NA MEDIDA CERTA

A crescente demanda interna e internacional e os fatores climáticos afetaram o mercado do milho, causando grave risco de desabastecimento. Por isso, é fundamental que o governo cumpra sua função regulamentadora e promova intervenções que garantam o abastecimento.

Recentemente o governo federal anunciou um aporte de até 200 mil toneladas de milho para atender pequenos produtores rurais que estão com dificuldades para adquirir o principal insumo da alimentação de suas criações. Paralelamente, a ministra da agricultura Tereza Cristina afirmou que está em fase final o processo de isenção do PIS/COFINS para a importação do grão.

As ações são para equilibrar o mercado, que vem registrando recordes no preço do grão e uma corrida internacional, principalmente pelas grandes empresas, para importar milho de países como a Argentina. De acordo com indicador do Cepea, o milho chegou à casa de três dígitos em São Paulo, 75% a mais do valor praticado em agosto de 2020.

Esta valorização foi impulsionada pela queda na produtividade desta safra, que foi semeada mais tarde devido à estiagem no Centro-Oeste brasileiro e ainda sofreu os impactos das geadas nas regiões Sul e Sudeste. Mas, ao longo dos últimos anos, os ganhos produtivos do milho são um fiel exemplo da nossa agricultura.

A produção brasileira de grãos tem uma trajetória de muito investimento em pesquisa, adoção de tecnologias e aumento da produtividade.  Especificamente no cultivo do milho, em quase cinco décadas (1976 a 2021) a produção aumentou 385%, a produtividade 188% e área plantada aumentou 68%. Neste caso, cabe destacar que houve uma redução da área de primeira safra, que cedeu espaço para a produção de outros grãos, e incremento significativo na produção de segunda safra.

É impressionante o desempenho do cereal, porém não foi suficiente para estabilizar os preços. A relação entre oferta e demanda tem que estar acompanhada de estratégias robustas para manter a produção a preços acessíveis para a população e com rentabilidade para o produtor rural.

Isso se dá com planejamento, investimentos e políticas públicas, que podem ser realizadas para fomentar a produção, a manutenção dos estoques públicos ou para reestabelecer o equilíbrio mercadológico.

A interferência de um governo precisa de ter a medida certa, ser responsável, produtiva e segura. Afinal, o que se busca é a segurança alimentar da nação.

NA MEDIDA CERTA
por Luciano Vacari

Luciano Vacari

Agronegócios Gestor de agronegócios especialista em Relações Institucionais e Governança, é diretor e fundador da Neo Agro Consultoria, atua na liderança de importantes projeto do agribusiness nacional, com trânsito político e técnico entre os agentes das principais cadeias produtivas brasileiras. Contato: vacari@neoagroconsultoria.com.br Brasília-DF

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *