01 / 12 / 21

Famoso consultor de moda, Reginaldo Fonseca, revela os segredos do seu sucesso e as novas tendências pós pandemia

Exclusivo

Famoso consultor de moda, Reginaldo Fonseca, revela os segredos do seu sucesso e as novas tendências pós pandemia

Imagem – divulgação

   Reginaldo Fonseca é Consultor de moda, escritor, fundador e idealizador da Cia Paulista de Moda, é reconhecido como um dos mais renomados profissionais em consultoria, mentoria e direção executiva/artística de eventos e ações de moda em todo o Brasil, possuí mais de três décadas de experiência e expertise no mercado fashion mundial. Sintonizado com as novas tecnologias e demandas de desenvolvimento no segmento, já atendeu centenas de clientes espalhados pelo Brasil, Paris, Londres, Portugal, Dubai, Angola, Itália, Peru, entre outros.

   Em meio a um contexto de recomeço, as pessoas possuem curiosidades sobre quais as novas tendências da moda pós pandemia. Foi pensando nisso que eu entrevistei, com exclusividade, o bem-sucedido empresário e consultor de modas, Reginaldo Fonseca.

Quais são as novas tendências, inovações e tecnologias no mundo pós-pandemia?

  R: No momento, todos nós precisamos de alegria, e a coleção Verão 2021-2022 vai traduzir claramente isto, através de cores super coloridas, com muitas ombreiras, cinturas marcadas, alfaiataria, brilhos com aquela coisa do alto glamour, e da “Era Disco’, que já marcou as passarelas em diversas temporadas.

– As pessoas querem liberdade e a moda se associa a essa ideia, para que os indivíduos saiam às ruas e sejam vistos da melhor forma. Tudo indica que será um processo interno de revitalização, após quase dois anos de pandemia, um período que foi marcado por restrições, de ficar recluso em casa e não ter vida social.

– Já as inovações se darão em relação aos tecidos, tendo em vista que o planeta está cada vez mais quente, o que leva os designers de moda a adotarem tecidos cada vez mais finos. Sem falar que há tecidos para todos os gostos, desde roupas mais esvoaçantes, soltas, fluidas, até roupas mais justas.

No dia 25/10, você ministrou um workshop a convite do “Modaconnect”. Quais foram os principais tópicos e qual o diferencial deste evento?

  R: Foi maravilhoso ter estado novamente em Brasília, cidade que amo. A Ana Beatriz e a Josi, do Modaconnect, me convidaram para ministrar o workshop, marcando o encerramento de projetos do ano de 2021.

– Na oportunidade, procurei levar às pessoas o que está acontecendo no mundo de hoje, não só no pós-pandemia. Tentei projetá-las a uma viagem no tempo, a fim de que elas compreendessem o que aconteceu nos últimos 10 anos e o que poderá acontecer na próxima década. As mudanças envolvem tudo e nos levam a um novo comportamento. A moda está sempre baseada na mudança de comportamento das pessoas, para poder vender e atender o consumidor, que é super exigente.

– O maior diferencial deste workshop é cuidar das pessoas que fazem uma moda artesanal. Particularmente, sou apaixonado pela artesania, o chamado “feito a mão”, já que estamos tão cansados de tudo o que é muito industrializado. Vejo que muitos países estão levantando suas bandeiras do “Use o Nacional”. Sem contar que temos um artesanato primoroso no Brasil, que é um dos nossos diferenciais.

Atualmente fala-se bastante sobre Moda Inclusiva. A seu ver, qual a importância desse projeto e no que ele beneficia as pessoas? 

   R: É algo fantástico. Até porque a indústria da moda pensa em tudo e em todos: no corpo, na cor, no bolso, no clima, no sexo e no estilo de vida. Enfim, tudo é muito bem pensado para que o produto chegue até a arara, à loja e, claro, ao nosso guarda-roupa.

– Um evento como o do Modaconnect é fundamental para beneficiar as pessoas. Existem grandes talentos que, muitas vezes, ficam no anonimato por não terem a oportunidade de mostrar os seus trabalhos para um maior número de pessoas.

– Na minha visão, o mais importante é qualificar as pessoas em relação ao universo da moda e ao que elas podem fazer de melhor. Logo, as palavras Moda e Inclusão devem andar de mãos dadas, e o Modaconnect sai na frente por pensar nisso, beneficiando essas pessoas em vários aspectos.

 O que é, qual a finalidade e como surgiu a Moda Inclusiva?

 R: A moda inclusiva é fundamental e já aparece nas passarelas e nos grandes lançamentos. Reafirmo: a moda é para todos e a indústria da moda traz inovações e tendências para todos, sem exceção.

Quais foram os seus maiores desafios, como diretor, para administrar a Cia Paulista de Moda em meio à pandemia?

 R: Tive muitos desafios, pois começamos o ano de 2020 com aproximadamente 50 eventos fechados pelo Brasil e em alguns lugares do mundo, e praticamente todos foram cancelados em uma semana. Foi um choque, já que tenho uma equipe de 60 pessoas que dependem disso. Contudo, começamos a trabalhar em outros projetos, tais como consultoria e mentoria, trazendo ações para o universo online, com a finalidade de ajudar as marcas e os nossos clientes a navegarem no mundo digital, que se fortaleceu ainda mais na pandemia.

– Em outubro de 2020, fizemos o Arab Fashion Week, em Dubai, com cinco marcas brasileiras da alta-costura, como: Vitor Zerbinato, Sandro Barros, Emannuelle Junqueira, Maison Alexandrine e as joias de Andrea Conti, o que nos deu um trabalho muito grande ao longo de cinco meses.

– Em 2021, finalizamos projetos para Guiné-Bissau e Portugal. Além disso, em setembro, levamos as criações de Vitor Zerbinato para o Milan Fashion Week, que é uma das quatro mais importantes semanas de moda do mundo.

– Enfim, a pandemia foi um momento muito desafiador para nós da Cia Paulista de Moda, pois tivemos que fazer coisas novas e levar as pessoas a verem o mundo digital como uma porta muito relevante para a divulgação e venda de seus produtos.

Qual a sua avaliação do legado de estilistas como Dener Pamplona de Abreu, Clodovil Hernandes, Marco Rica e Ocimar Versolato? 

 R: A cada década, sempre teremos novos talentos entrando no universo da moda e, obviamente, partindo, como no caso desses consagrados nomes.

– Na minha concepção, Dener, Clodovil, Marco Rica e Ocimar Versolato têm um papel importantíssimo para a moda brasileira, pois eles deixaram um legado para a moda atual, que é a feita sob medida, como a alta-costura, que veste mulheres que gostam de festas. Assim como muitos outros designers internacionais, eles sempre serão lembrados no universo fashion.

– O saudoso Ocimar Versolato, por exemplo, esteve à frente de uma grande maison internacional por anos, depois veio ao Brasil e abriu várias lojas com uma moda incrível! Ressalto que sou apaixonado pela moda brasileira e por estes grandes nomes que ajudaram a enaltecê-la.

Na sua opinião, quais são os principais nomes da moda na atualidade? 

  R: Não costumo citar nomes, porque muitos deles são meus clientes e estão envolvidos em alguma de minhas consultorias/mentorias. Mas, dentre tantos talentos do Brasil, vou mencionar o designer de moda Vitor Zerbinato, meu amigo de décadas, com quem já fiz duas ações internacionais e a terceira acontecerá em 2022.

– Sua extinta grife chamada Madame X deu lugar à marca que agora leva seu nome. Vitor sempre teve um diferencial, pois faz um trabalho primoroso, juntando arquitetura e moda. Suas roupas caem perfeitamente no corpo feminino, seja nas peças de alta-costura, no “Prêt-à-Porter”, no casual ou no comercial. Tudo que ele faz é muito bem-feito. Sem contar que Vitor é de uma humildade gigantesca, com uma vontade ímpar de crescer e de aprender. 

Na sua avaliação, a que se deve o seu sucesso na área de moda? 

   R: Sucesso é algo que vem do trabalho, e eu trabalho com moda há 33 anos. Portanto, já vi, vivi, senti e fiz muitas coisas para a moda brasileira. Na realidade, o meu trabalho se baseia em duas pontas: a indústria e o consumidor final, e esse último está cada vez mais exigente na hora de comprar, pois muitos já aderiram ao consumo consciente.

– Meu trabalho é árduo, pois estou o tempo todo voltado para a pesquisa, envolvido com marcas iniciantes e famosas, nacionais e internacionais, e com as pessoas que gostam de fazer, comprar e vestir moda. Hoje, meu papel é o de levar um conteúdo verdadeiro, com muita informação e sabedoria, para que as pessoas comprem cada vez mais de forma consciente, e que a indústria da moda possa fazer uma moda mais eficiente a cada dia.

Saiba mais sobre Reginaldo Fonseca acessando as suas páginas no Instagram. Clique aquiCia Paulista de Moda. Clique aqui.

 

João Costa. Acesse aqui.

 

 

João Costa

Jornalista, articulista e Influencer do Instituto Palavra Aberta, Assessor Especial de Imprensa e articulista do Observatório da Comunicação Institucional (O.C.I) e Membro da API (Associação Paulista de Imprensa). Prêmio Ibero – Americano de Jornalismo de 2019/20, Referência em Comunicação pela Agência Nacional de Cultura, Empreendedorismo e Comunicação – ANCEC, reconhecimento por Direitos Humanos e Menção honrosa do Lions Clube Internacional - Rio do janeiro. Colunista, Blogueiro e Comunicador. Colunista de diversos veículos em todo o Brasil. Foi colunista da "Rede de Escritores de Língua Castelhana", e do Diário de notícias: Vila Nova Familicao em Braga - Portugal. Possuí sólidos conhecimentos na produção, revisão e edição de textos, ativista dos direitos humanos, estudioso sobre afrodescendência, e combativo à desigualdade social. Participação em eventos da embaixada do Gabão no Brasil, tendo inclusive sido intérprete de discurso a convite do Embaixador do Gabão no Brasil, em jantar beneficente, com a presença do Vice-presidente da república federativa do Brasil. Participação em workshops, webinars, congressos e conferências.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *