10 de julho de 2020

Solidariedade em Foco

A Importância do Engajamento e dos Voluntários 

Foto: iatiseguros.pt

iatiseguros.pt

Solidariedade em Foco

Com a perspectiva de um mundo mais justo e igualitário, a empresária, escritora e novelista: Iris Abravanel esposa do empresário e apresentador, Silvio Santos está capitaneando um grande exército de pessoas a fim de fomentar, promover projetos de engajamento com o objetivo de dar qualidade de vida a quem precisa. Tudo começou a partir da inspiração do pernambucano, Fábio Silva. A ONU ( Organização das Nações Unidas) e o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) mostram dados alarmantes e desesperançosos, mas estamos aqui para mudarmos esta realidade de caos e miséria para uma realidade de bons resultados, com qualidade de vida, para todos e não só para uma parte da população brasileira. Assistam abaixo, por gentileza, a reportagem exclusiva sobre o assunto em pauta, feita pelo programa: “Conexão Repórter” do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), apresentado pelo colega, o jornalista, Roberto Cabrini:

Realidade Atual

O Brasil tem contado com poucas ações sociais, e isto diminuiu ainda mais, com a perda do saudoso sociólogo, Herbet de Souza, mas conhecido como Betinho. Trata-se do idealizador de uma das mais importantes campanhas de solidariedade, intitulada a época de o “Natal Sem Fome”.  Com o falecimento de Betinho o projeto não prosseguiu. O referido sociólogo teve um grande papel social e engajador em prol de mobilizar pessoas para projetos sociais com a finalidade de erradicar a fome e a miséria no Brasil. No entanto, sempre existiram movimentos quer sejam religiosos ou não que fizeram algo, mas em número bem pequeno. As iniciativas privadas são um caminho para a solução de dilemas como estes. Pagamos impostos para vermos a materialização dos mesmos em forma de saneamento básico, ruas asfaltadas, saúde de qualidade, educação condizente com os parâmetros e diretrizes de ensino, porém o que vemos são fraudes, roubos na cara dura que deixam-nos estarrecidos e revoltados. Daí não resta outra saída senão, a mobilização do povo, para que os políticos trabalhem em defesa de nossos direitos e não dos deles, e que os empresários cooperem com quem mais precisa.

Foco

     ENGAJAMENTO e a importância do VOLUNTARIADO, estas são as palavras chaves para que qualquer projeto social dê certo.  As ações humanitárias não podem ser realizadas só no Natal ou em outras épocas festivas. Muitos  almejam e até  fazem algo, mas que bom se a fartura fosse em mais afeto, amor incondicional, cortesia para com o próximo, sorrisos para os que nada possuem, ouvidos  prontos para dar atenção aos que se encontram sozinhos, atos de solidariedade. Enfim, vivemos a Era dos likes, ou seja, curtidas nas fotos com a exposição de uma pseudo felicidade que se desenha por fora, mas se encontra muitas vezes, inexistente por dentro. Muitos  não possuem sequer um pão  duro para comer. Há anos escrevendo sobre as várias nuances das relações humanas  e sobre diversos aspectos sociais percebo o quanto não é fácil bater nesta tecla.

A Realidade

    A rigor, o que percebo é que não é nada fácil trazer a baila a verdade dos fatos. Penso que isto é  fruto  de estarmos inseridos em um contexto histórico, onde falar da realidade é  algo pessimista.  Uma maneira de não admitir o que está acontecendo. Como se o ato de desnudar as ilusões fosse algo negativo. Ledo engano.  O sistema é  hipócrita e incuti isto há séculos na mente humana como forma de manipulação e de contribuir com o mercado de consumo.  Refletir sobre a verdade dói  né? Mas encarar os fatos sem maquiagem é menos doloroso do quê viver de ilusões, pois depois que se passam as festas voltamos para a vida cotidiana de sempre. Milhões de pessoas quer seja no Brasil, na África e em tantos outros lugares do planeta vivem na mais absoluta miséria.  A própria ONU ( Organização das Nações Unidas) sabe e retrata isto em relatórios. Sem falar no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). Conclusão, fala -se de amor, mas não há perdão, fala -se de consumo sem pensar naquele que nada tem, fala-se de que teremos um mundo melhor, de solidariedade e não se dá  atenção ao irmão que está só.  Oh, humanidade sem noção e perversa! Sem generalizar. Quantos irmãozinhos precisando só de um sorriso, um oi, uma atenção e até isto lhe é negado! Por quê? Porque a maioria está as voltas com a preocupação, com as festas de Natal, o presente que não pode faltar, ou seja, um percentual de pessoas que vivem pensando no próprio umbigo. O dinheiro é tudo na vida de muitos em detrimento dos menos favorecidos. Como se os bens materiais fossem dentro do caixão na hora da morte. Que tristeza. O retrocesso humano é algo sem precedentes.

Finalizando

    No entanto, sigamos em frente, pois creio em Deus, independente de religião, e que o ser humano ainda tem jeito. Uma excelente reflexão.

 João Costa

João Costa

Persona @joaolucianocostaoficial Jornalista (MTB 0087452/SP), Jornalista Membro da API (Associação Paulista de Imprensa), Membro da Febracos (Federação Brasileira de Colunistas Sociais), Membro da Apacos ( Associação Paulista de Colunistas Sociais), Colunista, Blogueiro e Comunicador. Desenvolve há anos um trabalho com o propósito humanitário por meio do que cunha chamar de: "Filosofia da Evolução das Relações Humanas”. Atualmente é Assessor do Observatório da Comunicação Institucional (O.C.I); Redator responsável e Colunista do Portal FaceTV Brasil; Colunista do jornal “Em Destaque”, do Estado do Rio de janeiro, Colunista do Portal NaMídia. Foi Colunista da Revista Empresarial. Revista com circulação em Minas Gerais e Colunista da "Rede de Escritores de Língua Espanhola". Prêmio Ibero – Americano de Jornalismo dos anos de 2019/20, e Menção honrosa do Lions Clube Rio do Janeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *